terça-feira, 28 de abril de 2009

AULA 12: Gula



O pecado da Gula representa o desejo insaciável do ser humano de ter sempre mais do que já tem e precisa. As pessoas consideram a gula o pecado de comer excessivamente e mais do que necessita. Mas esse pecado também está relacionado ao egoísmo humano: querer ter sempre mais e mais, não se contentando com o que já tem. Uma forma de cobiça.

Diariamente somos alertados para os malefícios do tabaco, do álcool, das drogas, estupefacientes e outras substâncias químicas e negligenciamos os “dependentes da comida”. Nem soa bem, porque na verdade dependemos de comida. Não precisamos de tabaco para viver, nem de álcool, nem de drogas, mas precisamos de comer. Ninguém vive sem comer!

Gula aparenta ser um pecado que os Cristãos gostam de ignorar. Não demoramos para chamar fumar e beber de pecados, mas por algum motivo gula é um pecado bastante aceito ou pelo menos tolerado. Muitos dos argumentos usados contra fumar e beber, tais como saúde e vício, aplicam-se igualmente a comer demais. Para alguns crentes não têm nenhum problema em devorar tudo que vêem pela frente durante o jantar ao ponto que quase se sentem que vão explodir. Isso não deve ser assim!

A Bíblia fala-nos no pecado da gula e muitas vezes perguntamo-nos porque é que “comer um pouco mais” é assim tão grave!? O problema é que “um pouco mais” muitas vezes já é em cima do “demais”… Se um crente acender um cigarro ficamos chocados, mas nem prestamos a devida atenção quando ele come demasiadamente. Aliás, há uma cultura que nos ensina que é feio reparar no que os outros comem, que é falta de educação comentar a quantidade de alimentos que as outras pessoas metem no prato.

Os que padecem de gula posteriormente juntam-se ao número dos que padecem da crescente “obesidade mórbida”. Uma das desculpas mais freqüentes para quem não controla o apetite é a estrutura óssea! “Sou de constituição larga!” - dizem. E pelos vistos “alarga” cada vez mais com o passar do tempo!

A gula é pecado porque, de acordo com a Bíblia, é uma forma de idolatria. A mente, o coração e o bem-estar emocional da pessoa dependem da comida. Da ingestão exagerada de alimentos, além do natural e normal. O glutão vive para comer em vez de comer para viver. A Bíblia alista a gula (glutonaria) como pecado, juntamente com a prostituição, a feitiçaria, as heresias, os homicídios, etc., sendo que esta dependência impede a pessoa de fazer parte do Reino de Deus. - Gálatas 5:19-21.

Provérbios 23:20-21 nos adverte: “Não estejas entre os bebedores de vinho nem entre os comilões de carne. Porque o beberrão e o comilão caem em pobreza; e a sonolência vestirá de trapos o homem”. Provérbios 28:7 declara: “O que guarda a lei é filho prudente, mas o companheiro de libertinos envergonha a seu pai”. Provérbios 23:2 proclama: “mete uma faca à tua garganta, se és homem glutão”.

Colossenses 3:5-6 e II Timóteo 3:2-4 trazem advertência contra o apetite desordenado e à incontinência. O glutão não está em condições para estar diante de Cristo. - Lucas 21:34-36. Cada um de nós vai dar contas a Deus pelo modo como usou o corpo e o que lhe fez. Está escrito na Bíblia Sagrada que: “todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal.” - II Coríntios 5:10.

Se somos incapazes de controlar nossos hábitos em relação à comida, isso é uma indicação de que provavelmente também somos incapazes de controlar outros hábitos, tais como os da mente (cobiça, avareza, raiva), e somos incapazes de não fazer parte de fofocas e conflitos. Não devemos deixar nossos apetites nos controlar, mas devemos ter controle sobre nossos apetites. A habilidade de dizer “não” a qualquer coisa em excesso – “auto-controle” — é um dos frutos do Espírito que pertence a todos os Cristãos (Gálatas 5:22).

Contrariamente ao que muitas pessoas pensam, o corpo tem valor. É criação de Deus e faz parte do nosso ser total. A Bíblia, e mais em concreto em relação àquela pessoa que se confessa cristã, diz que o seu corpo é o Templo do Espírito Santo, e quem lhe infringir danos desnecessariamente, como é o caso da gula, Deus julgará tal pessoa: “Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo.” - I Coríntios 3:16-17.

Há muitos crentes que querem que Deus os cure de determinadas doenças, no entanto, muitas resultam da gula. Nessa situação não é de cura divina que tais pessoas precisam, mas duma prática alimentar moderada e regrada. No Velho Testamento, com vista à saúde do povo de Israel – o povo escolhido de Deus – Deus decretou um conjunto de leis tocantes à alimentação, orientando o que, o quanto e como deveriam comer.

No Novo Testamento, os crentes estão desobrigados do rigor do Velho Testamento no que concerne à alimentação, I Timóteo 4:1-5, mas o princípio da moderação e da regra subjacente, com vista à boa condição física, continua presente: “Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber… mas o corpo é de Cristo”. Colossenses 2:16-17.

Os motivos que levam as pessoas a buscar conforto emocional nos alimentos, são os mesmos que levam as pessoas a procurar outro gênero de substâncias. A comida também provoca reações químicas no nosso organismo que nos fazem desfrutar de sensações de prazer, sonolência, euforia, etc.

Por exemplo, o chocolate é responsável pela produção de endorfinas (a hormona da felicidade) que deixa as pessoas num estado de ligeira euforia e descontração. É costume sentir uma grande vontade de comer chocolates, quando se atravessam situações de tristeza e não é por acaso, porque de todos os bolos e doces que existem a tendência é consumir algo com chocolate. O problema não é a comida, mas o descontrolo emocional que leva o indivíduo ao exagero.

É pecado confiar nos aditivos para conforto pessoal em vez de depositar a nossa confiança no Senhor? Sim! Porque é falta de fé e está escrito que tudo o que não é da fé é pecado! Romanos 14:23.

Quando a pessoa tem este tipo de comportamento, como se de um dependente se tratasse, poderá resolvê-lo fazendo um voto no sentido de contrariar o impulso de comer. Há quem chame “jejum parcial” a esta estratégia. E aí contarão com a ajuda de Deus. E devem buscar a Deus, porque não é fácil mudar, ou alterar, uma rotina, um hábito, sobretudo um mau hábito que oferece “prazer”, mas como diz o Evangelho “aquilo que aos homens não é possível, para Deus todas as coisas são possíveis” - Lucas 18:27; 1:37; Marcos 9:23.

Daniel, o profeta, com os seus três amigos, sabendo que a comida que o rei da Babilônia lhes estava a oferecer era comida consagrada aos deuses, da qual não deveriam comer, determinaram (fizeram um voto) que não comeriam daquela comida. E, diz a Bíblia, que Deus deu graça a Daniel. E, o interessante é que ao fim de dez dias estavam com melhor parecer físico do que os outros jovens que haviam comido dos manjares do rei! Daniel 1:7-16. Noutra ocasião, o mesmo Daniel decidiu não comer “comida desejável” - Daniel 10:3.

Pessoas que são viciadas em café, refrigerantes, chá, etc, devem fazer um voto de cortarem de vez estes alimentos da sua dieta alimentar. É pecado comer chocolate, ou beber refrigerantes? Não. Mas a questão não deve ser colocada nesses termos, o que temos que questionar é se é conveniente? Há coisas que não são pecado mas podem não ser convenientes. - I Coríntios 10:23 Em I Coríntios 6:12 encontramos a recomendação para usarmos mas não nos deixarmos dominar pelas coisas lícitas, como é o caso da comida.

O Apóstolo Paulo, comparando a vida cristã à de um atleta, fala que temos necessidade de negar ao nosso corpo aquilo que ele gosta mas que, em certas circunstâncias, não é conveniente ou pode prejudicar o nosso desempenho espiritual e de serviço. - I Coríntios 9:22-27

O que é que acontece quando consumimos regularmente (sem precisar) uma substância que o nosso organismo reconhece? Deixamos de a produzir naturalmente e ficamos viciados no que quer que seja que ingerimos, seja na forma de droga, calmantes, ansiolíticos, ou comida. É a isto que se chama droga, e/ou aditivos, (caso contrário seria veneno, sendo que, veneno é a substância que o nosso organismo não reconhece e conseqüentemente reage através de alergia, asfixia e/ou morte). Isso é ser dependente ou tóxico-dependente, consoante a dependência seja de uma substancia tóxica ou não tóxica, mas em ambos os casos é uma dependência e não deixa de ser um vício.

Os gordos são pecadores? Não. Há pessoas que têm peso a mais devido a outros fatores sobre os quais não têm controle, nomeadamente uma disfunção da tiróide, ou o uso de alguns medicamentos durante o processo de um problema de saúde de outra ordem, mas tirando isso, há que ser honesto, assumir de uma vez por todas que há um problema emocional que o leva a empanturrar-se, ou mesmo a jejuar desmesuradamente. Muitas pessoas controlaram o seu peso só por libertarem o seu perdão sobre outras pessoas que os magoaram e mesmo sobre si próprios!

Reconhecemos a dificuldade da mudança, mas em Cristo e pelo poder do Espírito Santo e da Palavra de Deus, a libertação da gula e o auto-controle é possível: “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” - II Coríntios 5:17

Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: “Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente, sereis meus discípulos e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” - João 8:30-31. Em Gálatas também aprendemos que um dos frutos do Espírito é a temperança, que significa, auto-domínio. Quando a alegria enche o coração, a pessoa passa a estar concentrada noutras coisas e só come quando tem fome, porque é assim que deve ser! Comida é combustível, Deus é que é amor.

Deus nos abençoou ao encher a terra com comidas que são deliciosas, nutritivas e até mesmo prazerosas. Devemos honrar a criação de Deus ao apreciar essas comidas em moderação, controlando nossos apetites, ao invés de sermos controlados por eles.

Fontes: http://pt.wikipedia.org/wiki/Gula
https://www.gotquestions.org/Portugues/gula-pecado.html
http://assembleiadeusleiria.com/disturbios-alimentares-gula-ihttp://assembleiadeusleiria.com/disturbios-alimentares-gula-ii

2 comentários:

  1. parabéns pelo seu estudo sobre a gula. era exatamente isto que eu estava procurando.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela definição deste Pecado tão ignorado pelos cristãos hoje, eu sofro de compulsão alimentar e minha família tbm. Lutamos diariamente com a vontade excessiva de comer..

    Obg por esclarecer as minhas dúvidas.

    Deus abençoe!

    ResponderExcluir

Isso! Comente! Faça um blogueiro feliz!

Compartilhar